Cuide-se para que o friozinho não venha acompanhado de doenças respiratórias

As doenças respiratórias mais frequentes no inverno são as virais, como o resfriado e a gripe, e as infecções bacterianas como amidalites, faringites, sinusites, entre outras. A baixa umidade, a mudança brusca da temperatura, associadas ao contato com ácaros das roupas guardadas e ambientes mal arejados contribuem para o surgimento dessas doenças.

A permanência das pessoas em ambientes fechados facilita a disseminação de doenças pela via respiratória, como por exemplo, as crianças dentro de creches e escolas. Os idosos também precisam redobrar os cuidados devido às condições naturais do envelhecimento.  Algumas ações simples ajudam a prevenir as doenças comuns de inverno: lavar as mãos, ter boa alimentação, ingerir bastante líquido, manter os ambientes arejados, lavar as mantas e blusas de lã guardadas por muito tempo e deixá-las secar ao sol antes do uso. Em dias de baixa umidade relativa do ar, a prática de exercícios físicos deve ser feita mantendo o corpo hidratado e o ambiente umidificado, usando recipientes com água e toalhas úmidas.

A vacina contra a influenza é segura e também é considerada uma das medidas mais eficazes na prevenção de complicações e casos graves de gripe. Ela é obrigatória nas crianças e nos pacientes com asma, doenças cardiopulmonares crônicas, doenças renais ou imunodeficiências. Nos adultos maiores de 65 anos está indicada a vacina anti pneumocócica, tomada uma vez a cada cinco anos.    As pessoas devem procurar um médico aos sinais como falta de ar, febre, tosse, expectoração ou outros sintomas persistentes por mais de 48h.

Paulo Sérgio Lima é pneumologista do Hospital Vera Cruz, formado pela Unicamp e com especialização em Pneumologia. Detém o título de especialista pela Sociedade Paulista de Medicina e Sociedade Brasileira de Pneumologia e atende também em consultório particular