Férias: tempo de sol, praia e cuidado redobrado com a pele

Vivemos em um país tropical e é inevitável que destinos com praias e muito sol sejam os mais procurados principalmente no verão. E, ainda que esses dias sejam sinônimo de alegria, há um vilão escondido por traz deles: o câncer de pele. Trata-se do tipo de câncer mais comum no Brasil e no mundo. Nos últimos 10 anos, o número de casos aumentou 55%. O melanoma é o câncer de pele mais agressivo (há outros tipos não tão perigosos) e, consequentemente, é o que mais causa mortes. O Instituto Nacional do Câncer (INCA) estimou que, em 2017, seriam 6.000 casos novos de melanoma no Brasil, com 1.500 mortes.

Então, nunca é demais lembrar que a prevenção é a palavra-chave quando o assunto é câncer de pele. Uso de roupas com mangas compridas e chapéus, uso de protetores solares (repassados a cada três horas) e evitar o sol entre as 9 horas e 16 horas são a melhor maneira de se proteger. Quem tem pele e olhos claros devem estar mais atentos! Exposição prolongada ao sol ao longo da vida, vários episódios de queimaduras solares e fatores genéticos (quando várias pessoas da família já tiveram melanoma) são outros fatores de risco.

De todo modo, a medicina oferece tratamento para o câncer de pele. E quanto ao mais perigoso deles, o melanoma, sabemos que quando descoberto bem no começo, suas chances de cura chegam a 95%. O tratamento é cirúrgico. Em casos mais avançados, além da cirurgia, são usadas a terapia-alvo e a imunoterapia, as mais novas armas contra este tipo de câncer, mas que são tratamentos caros e indisponíveis pelo SUS, impossibilitando o uso na maioria dos pacientes.

No Congresso Mundial de Melanoma, realizado em outubro, na Austrália, um dos tópicos mais discutidos foi como permitir que mais pacientes com melanoma tenham acesso a esses tratamentos. Na ocasião tive a oportunidade de apresentar um estudo sobre a incorporação desses novos medicamentos no SUS e mostrar que isso é possível desde que haja mobilização dos órgãos federais e maior negociação com a indústria farmacêutica.

 

Vinicius Corrêa da Conceição é  oncologista formado pela Unicamp, onde é médico assistente no serviço de Oncologia. É integrante do Grupo SOnHe – Sasse Oncologia e Hematologia, formado por oncologistas que fazem atendimento humanizado e multidisciplinar no Hospital Vera Cruz, no Hospital Santa Tereza e no Radium Instituto de Oncologia, em Campinas.