Educação financeira

Educar financeiramente uma criança é capacitá-la para fazer o melhor uso do dinheiro

Atualmente as crianças sofrem com os apelos do mundo do consumo e a educação financeira infantil é um tema que conquista cada vez mais importância para os pais. Abordar a questão com as crianças é ajudá-la entender o valor real do dinheiro e fazer o melhor uso do recurso. As primeiras lições de educação financeira devem começar em casa: recomendações de fechar a torneira ao escovar os dentes, apagar a luz dos ambientes vazios e comer toda a refeição para não desperdiçar os alimentos, são ensinamentos que se transformarão em conhecimentos facilitadores nas decisões financeiras no futuro.

Diante desse cenário, o conflito entre querer, poder, merecer e precisar se mistura na vida dos pequenos e pode explodir em um caos momentâneo. A escola é uma excelente aliada e durante a infância, as noções da educação financeira devem ser trabalhadas de forma lúdica, por meio de simulações e brincadeiras em sala de aula.

No Colégio Vivendo e Aprendendo há um projeto de educação financeira para que as crianças aprendam, por meio da prática, o real significado do dinheiro, já que ele se faz importante no universo e cotidiano do aluno. “Montamos o ‘Projeto Supermercado’, onde os alunos do quarto ano do ensino fundamental I arrecadam em casa, com a família, ou confeccionam objetos para ‘vender’ aos alunos das outras séries. Brincamos com os serviços também, como o salão de beleza e praça de alimentação. Eles trazem alimentos (bolos, tortas, docinhos) e sucos para os outros alunos ‘vcomprarem’. A escola fornece o dinheiro fictício e as crianças responsáveis pela venda precisam receber o valor correto e pensar no troco, praticando assim o conhecimento financeiro”, explica Renata Bueno Scacinatti Alves, vice-diretora do Vivendo e Aprendendo, unidade Jardim Garcia.

Educação financeira

A ideia surgiu a partir de uma reunião realizada com a equipe pedagógica e foi detectada a dificuldade dos alunos ao comprar na cantina e conferir o troco. “Percebendo isso, foi desenvolvido, pela professora Roberta Souza Gonzalez, o projeto de educação financeira”, diz a vice-diretora.

Outra dica é que a criança tenha noção de como ganhar, economizar e gastar de forma consciente o dinheiro. Uma sugestão é colocar um cofre em casa e depositar diariamente as moedas que representam as economias. As crianças começarão a sentir o dinheiro como algo real, que deve ser economizado e guardado. Ensine também que é necessário um tempo de espera para juntar a quantidade certa e depois gastar o dinheiro.