Desabafo de mãe

O texto dessa edição é uma homenagem à todas as mães que foram surpreendidas, pelo destino ou pelo acaso, e carregam no colo e na raça os lhos com de ciência. Mulheres que não foram chamadas de mães, mas que no silêncio de um olhar ou num sorriso são reconhecidas diariamente por este elo profundo. Mulheres que não viram os primeiros passos, mas que caminham com pés firmes no chão, empurrando uma cadeira de rodas. Mulheres que foram obrigadas a conhecer a rotina de um hospital, consultórios médicos e de reabilitação, mas que encontraram nos profissionais aliados, amigos e pessoas que fazem do trabalho uma missão. Tão especiais quanto suas crias.

Inclusão – Desabafo de mãe

Mulheres que deixaram a rotina profissional de lado, o sonho da carreira bem-sucedida, o salário no m do mês, para tomar conta daquele que exige atenção por 24 horas e cuidados redobrados. Mãe é sempre mãe!

Mulheres que aprenderam a ser fortes, perseverantes, que lutam por seus direitos, os poucos que a lei lhes garante. Mulheres que substituíram o sonho do lho gordinho, falante e esperto, por um anjinho cheio de luz, com imperfeições aparentes e perfeição diante de Deus. Mulheres que inspiram e servem de exemplo. Escolhidas e capacitadas! Com elas e perto delas você conhece o significado da palavra superação.

No dia das mães, se você conhece ou lembrou de uma mulher que se encaixa nesse perfil, faça uma ligação ou envie uma mensagem. Fale da sua gratidão em tê-la por perto, do quanto você admira o que ela faz pelo filho.

Ser mãe é muito mais que trocar fraldas, dar banho ou levar para um passeio. É um ato de amor que não tem m, é doação e entrega. Sentimento que excede o entendimento.

À todas as mães de lhos com de ciência, nossa homenagem, nossa admiração. Saibam que vocês fazem a diferença no mundo em que vivemos!

Feliz Dia das Mães!