Mercado Gastronômico

Campinas soma mais de 4.600 estabelecimentos no setor gastronômico e apesar da crise econômica que atingiu todo o país, a cidade se mantém no posto de um dos melhores circuitos para se comer e beber do interior paulista. Para

falar sobre o cenário atual da gastronomia campineira, conversei com o chef Beto Oliveira, que é formado em Gastronomia pelo Grande Hotel Escola Senac (Águas de São Pedro), é docente no Instituto Franco Brasileiro de Gastronomia, consultor gastronômico e com todo seu conhecimento em diversos segmentos do mercado adquiriu domínio de uma cozinha autoral.

Revista Prado – O que é gastronomia para você?
Beto Oliveira – É uma arte misturada com muita transpiração e inspiração, sem as duas coisas não conseguimos entusiasmo e êxito para concluir o trabalho.

RP – Como você avalia o cenário da gastronomia em Campinas, apesar da crise que atingiu todas as áreas?

Beto – A maioria dos estabelecimentos teve que rever os custos operacionais e promover reestruturações como mudança de cardápio, redução de equipe e compor promoções para continuar aberto. Mas, o cenário gastronômico em Campinas vem mudando e cada vez mais temos excelentes opções da boa gastronomia, excelentes chefs e o campineiro, apesar de tradicional, está aberto às novidades.

RP – Como você enxerga as grandes redes de restaurantes vindo para a cidade?

Beto – Acho importante no sentido de criar oportunidade para os profissionais que estão se formando. As grandes redes oferecem treinamento para quem precisa adquirir experiência. É uma porta para desenvolver habilidades de serviços e rotinas operacionais para os iniciantes.

RP – Há uma demanda grande de pessoas que procura cursos na área gastronômica?

Beto – Sim. Os programas de TV tem uma grande parcela nessa divulgação e glamorização da área. Isso é bom, o mercado vai amadurecer e ter pessoas com capacitação técnica, minimizando os erros e dando opções de selecionar uma melhor mão de obra.

RP – A gastronomia é um bom ramo de negócio?

Beto – Estou na área há 13 anos e apesar dela sofrer como qualquer outro segmento, sempre é necessário rever o que estamos fazendo dentro da gastronomia e mudar a estratégia para conseguir prosseguir, vale a pena.